PUBLICIDADE

Coronel David é o mais cotado pelo PL para ser vice da prefeita Adriane Lopes

A análise dessas lideranças políticas dos dois partidos é de que o Coronel David aglutina o apoio de eleitores de várias vertentes políticas

| DANIEL PEDRA/CORREIO DO ESTADO


A prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (PP), e o deputado estadual Coronel David (PL) - Foto: Arquivo

Com anúncio que teria sido feito pelo ex-presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PL), de que o partido não lançará pré-candidato a prefeito de Campo Grande e apoiará a indicação da senadora Tereza Cristina (PP-MS), o nome do deputado estadual Coronel David ganhou força para ser o pré-candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pela atual prefeita Adriane Lopes.

Segundo fontes ouvidas pelo Correio do Estado, o parlamentar é o preferido, tanto pelas lideranças do PL, quanto pelas lideranças do PP devido ao prestígio dele junto aos eleitores da direita e também do centro em Campo Grande e no interior de Mato Grosso do Sul.

A análise dessas lideranças políticas dos dois partidos é de que o Coronel David aglutina o apoio de eleitores de várias vertentes políticas, além de ser um político centrado, experiente e com trânsito livre junto ao governador Eduardo Riedel (PSDB), à Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul e ao Congresso Nacional.

Além disso, o deputado estadual também é amigo de longa data de Jair Bolsonaro, sendo o responsável por trazer o então deputado federal e agora ex-presidente da República pela primeira vez a Mato Grosso do Sul, quando ele ainda estava iniciando a caminhada que o levaria à presidência da República do Brasil.

No entanto, o Correio do Estado procurou o Coronel David para conversar sobre essa possibilidade, afinal, recentemente ele retirou a pré-candidatura a prefeito da Capital pelo PL, dizendo que pretendia continuar sua carreira política no Legislativo de Mato Grosso do Sul.

Entretanto, infelizmente, até o fechamento desta matéria, o deputado estadual da direita não foi encontrado para comentar o assunto, porém, a reportagem ouviu pessoas próximas ao Coronel David e elas disseram que ele não teria interesse.

Por outro lado, esses interlocutores do parlamentar estadual acreditam que uma pessoa que poderia convencê-lo a aceitar o cargo de pré-candidato a vice-prefeito de Campo Grande seria o ex-presidente Bolsonaro, de quem o Coronel David é um amigo dos mais leais aqui em Mato Grosso do Sul.

O Correio do Estado ainda foi informado que a senadora Tereza Cristina já teria agendado uma reunião com Jair Bolsonaro em Brasília (DF) nesta semana que se inicia com a presença do deputado estadual do PL, quando deve ser feito esse trabalho de convencimento do Coronel David a aceitar mais essa missão na sua vitoriosa carreira política.

A reportagem apurou também que a senadora pretende apresentar, durante a reunião com Bolsonaro e Coronel David, as pesquisas de intenções de votos feitas em Campo Grande que apontam o parlamentar estadual como o nome mais forte do PL na disputa pela prefeitura de Campo Grande.

Ainda dentro desse trabalho de convencimento do Coronel David a ser o pré-candidato a vice-prefeito de Adriane Lopes, está a esposa do parlamentar, Ana Arminda, que está sendo fortemente assediada pelo PP para fazer o esposo aceitar o convite.

Entre as outras cartas na manga da senadora Tereza Cristina para convencer o Coronel David a ser o vice na chapa de Adriane Lopes está o compromisso do PP com o parlamentar de apoiá-lo como o virtual candidato a suceder a atual prefeita em 2028, caso ela seja reeleita neste ano.

A outra carta é que o deputado estadual seja um dos candidatos a senador em 2026 pelo PP, fazendo uma dobradinha com o ex-governador Reinaldo Azambuja (PSDB), entretanto, essa hipótese incluiria a saída do Coronel David do PL para migrar para o progressista, o que talvez não agrade Bolsonaro.

SAIBA
Conforme o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as convenções partidárias e registros de candidatura vão de 20 de julho a 5 de agosto. Nesse período, os partidos e federações poderão realizar convenções partidárias para deliberar sobre coligações e escolher candidatas e candidatos aos cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador. Após a definição das candidaturas, as agremiações têm até 15 de agosto para registrar os nomes na Justiça Eleitoral.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE