PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
12/06/2018 15h16

Identificadas as 4 crianças mortas em Orlando após sequestro

R7


Vítimas da tragédia em Orlando seriam quatro irmãos de 12, 10, 6 e 1 ano Reprodução / Internet

As quatro crianças mortas após serem mantidas reféns por várias horas em um condomínio em Orlando, na Flórida (EUA), foram identificadas por um amigo da família. 

 

As vítimas seriam Iraya, 12 anos; Lillia, 10 anos; Aidan, 6 anos; e Dove, 1 ano. A mãe foi identificada como Ciara. A polícia, no entanto, ainda não confirmou a identidade das vítimas.

 

O reconhecimento das crianças aconteceu em uma postagem do site GoFundMe, feita por um advogado que se identifica como amigo da família e está organizando uma vaquinha online para arcar com os gastos do enterro das crianças.

 

As crianças foram encontradas mortas junto com o suspeito Gary Lindsey, 35 anos, que no final da tragédia, acabou cometendo suicídio.

 

Segundo a mesma postagem, Lindsey seria o namorado de Ciara e pai de duas das crianças mortas.

 

Um médico legista vai confirmar a hora exata do assassinato das crianças. O sequestro aconteceu no condomínio Westbrook Apartments, que fica a 300 metros de um dos parques da Universal.

 

Nesta terça-feira (12), algumas famílias que vivem no local já voltaram para suas casas, segundo a imprensa local. Os moradores afirmam que estão chocados com os acontecimentos.

 

Segundo o jornal Orlando Sentinel, o cenário no local era caótico com vidros quebrados pelas balas, munições no chão e muito sangue e marcas de balas no segundo andar, onde o crime aconteceu.

 

O chefe de polícia de Orlando, John Mina, afirmou que os oficiais estavam em contato por telefone com o suspeito, mas a bateria do telefone dele estava acabando. Quando a polícia tentou oferecer outro aparelho, descobriram o corpo da primeira vítima e tentaram resgatar as outras crianças.

 

Durante o sequestro, um policial ficou gravemente ferido.

 

Ainda não se sabe que tipo de relação Lindsey tinha com as vítimas.



                    


NENHUM COMENTÁRIO



escrever comentário




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE