PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
16/02/2018 10h17

Vaticano nega que o papa Bento 16 sofra de doença debilitante

Terra


Papa emérito Bento 16 durante audiência-geral na Praça de São Pedro, no Vaticano 27/02/2013 REUTERS/Alessandro Bianchi Foto: Reuters

Vaticano negou nesta quinta-feira a informação publicada em uma revista alemã de que o papa emérito Bento 16 estaria sofrendo de uma doença paralisante do sistema nervoso.

 

Um porta-voz do Vaticano disse que a reportagem da revista Neue Post, citando o irmão mais velho de Bento, é falsa.

 

Segundo a revista, Georg Ratzinger, padre de 94 anos, disse: "O maior medo é que em algum momento a paralisia chegue ao seu coração. Aí tudo pode acabar rápido."

 

Um comunicado do Vaticano disse que as "supostas notícias de uma doença paralisante degenerativa são falsas. Em dois meses, Bento 16 fará 91 anos e, como ele mesmo disse, sente o peso de seus anos, o que é normal nessa idade".

 

A revista Neue Post havia citado Georg Ratzinger, irmão de Bento 16, dizendo que o papa emérito estaria sofrendo de uma doença em seu sistema nervoso que o obriga a usar uma cadeira de rodas com frequência.

 

Bento 16, alemão que em 2013 se tornou o primeiro papa em seis séculos a renunciar, disse no início deste mês estar na última fase da vida e em uma "peregrinação para casa".

 

Segundo a revista, Georg disse que seu irmão está mentalmente saudável, mas que se cansa facilmente, acrescentando que ora todos os dias por uma morte "boa" para si mesmo e para o irmão.

 

Ele também contou que os dois conversam todos os dias pelo telefone. "Essa é uma grande dádiva. Neste sentido, ninguém está sozinho".

 

"Tenho muita esperança que possa viajar mais uma vez a Roma para comemorar o 91º aniversário do meu irmão em 16 de abril. Mas isso ainda demora, quem sabe o que acontecerá até lá", disse Georg, segundo o Neue Post.

 

Desde que renunciou, Bento 16, um conservador cujo papado foi marcado por problemas de administração e escândalos financeiros, mora em um antigo convento nos jardins do Vaticano.

 

Ele faz aparições públicas só raramente.

 

Georg Ratzinger liderou uma das escolas católicas mais famosas da Alemanha, a Regensburger Domspatzen, de 1964 a 1994.

 

No ano passado, um relatório independente revelou que mais de 500 pupilos foram submetidos a abusos físicos ou sexuais entre 1945 e 2015. Georg admitiu ter estapeado pupilos no rosto, mas disse não ter percebido que a disciplina da escola era tão brutal.





PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE