PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
29/09/2017 10h52

'Não fiz com eles o que eles fizeram com a Dilma', diz Maia sobre impeachment



 O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), atribuiu a integrantes do primeiro escalão do governo os rumores de que teria interesse na Presidência da República. Em entrevista ao jornal "Valor Econômico" divulgada nesta sexta-feira, Maia negou interesse no cargo ocupado pelo presidente Michel Temer e afirmou que não se movimentou pelo impeachment, ao contrário do que políticos no entorno da ex-presidente Dilma Rousseff fizeram. O PMDB era o principal partido da base da petista, e o peemedebista Temer, então vice-presidente da República, ascendeu ao poder.
 

— Não fiz com eles (governistas) o que eles fizeram com a Dilma. Talvez por isso essas mentiras criadas (sobre ele articular a queda de Michel Temer), para tentar criar um ambiente em que eu era o que não prestava e eles eram os que prestavam — disse o deputado, ao complementar:
 

— Como eles (governistas) fizeram desse jeito com a Dilma, talvez imaginassem que o padrão fosse esse. O meu padrão não é o mesmo daqueles que, em torno do presidente, comandaram o impeachment da Dilma.
 

Para justificar sua falta de interesse na cadeira presidencial, Maia afirma que o presidente teria sido derrubado, se não fosse por seu esforço em manter o DEM junto ao governo no momento da primeira denúncia (por corrupção passiva) contra Michel Temer.
 

— Vou dizer claramente, sem nenhuma vaidade: se eu tivesse deixado o DEM sair (do governo) com o PSDB, o Michel tinha caído — disse.
 

DESGASTE ENTRE DEM E GOVERNO

Embora diga que tenha trabalhado para manter o DEM junto ao governo, Rodrigo Maia não garante que o mesmo será feito a partir de agora. A relação entre DEM, partido do presidente da Câmara, e o PMDB, partido do presidente da República, ficou estremecida com a disputa travada pelas duas legendas para atrair deputados dissidentes do PSB.
 

O DEM procura ampliar sua base na Câmara. Por sua vez, Temer jantou com a líder do PSB na Casa, Tereza Cristina (MS), na tentativa de atrair ao PMDB parlamentares alinhados com as reformas do governo. O ministro de Minas e Energia, Fernado Bezerra Coelho, migrou para o PMDB, após também estar presente no jantar.
 

— Desesperado, Michel pediu para jantar aqui comigo para esclarecer que era mentira (a tentativa de atrair dissidentes do PSB). O presidente do PMDB (senador Romero Jucá) ligou para o presidente do DEM (senador Agripino Maia) para dizer que eles não tinham nenhum interesse nos parlamentares do PSB e o que estamos vendo é outra coisa. E o Romero, depois dessa denúncia, continuou fazendo a mesma coisa. A relação do PMDB com o DEM hoje é muito difícil — admitiu Maia.
 

O presidente da Câmara ainda criticou a presença de dois importantes peemedebistas na filiação de Bezerra Coelho: os ministros Moreira Franco (Secretaria Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil). Segundo Maia, o gesto significa uma "posição do governo".
 

— Como o presidente do PMDB e o próprio presidente da República falam uma coisa e o partido faz outra? E os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha vão à filiação do Fernando Coelho respaldar que aquilo é uma posição do governo? Eles são muito corajosos — ironizou, para depois acrescentar:
 

— Um deputado do DEM pode pensar: 'Por que eu vou me meter nesse desgaste se o governo quer prejudicar meu partido?'
 

CONFIRA OUTROS TRECHOS DA ENTREVISTA

RELAÇÃO COM CUNHA

"Não nego isso. Construí minha relação com o Eduardo (Cunha) depois da eleição dele para presidente da Câmara. Nós o ajudamos. Durante sua presidência, ele me ajudou muito, me deu muito espaço, relatorias importantes, prestígio."
 

INVESTIGAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO CONTRA SI

"Eu não critico. É claro que não gosto para mim, mas não posso deixar de respeitar, uma decisão do Ministério Público precisa ser respeitada. O nosso papel é fazer a nossa defesa e arquivar os inquéritos. Não tem problema nenhum."
 

REELEIÇÃO NA CÂMARA

"Para ser presidente da Câmara e para ser deputado precisa de voto, mas é uma hipótese forte. Acho que ajudo mais o Rio em Brasília."
 

'NÃO SEREI PRESIDENTE'

"Estou bem com a base, com a oposição, estou bem com todo mundo. E não vai ter ministro meu, porque eu não vou ser presidente."
 

DORIA NO DEM?

"Doria é nosso amigo, mas está no PSDB. O nosso combinado, dentro da direção do DEM, com o presidente Agripino, é que não íriamos tentar tirar parlamentar de partido da base. O movimento de alguns parlamentares do PSB é porque o partido foi para a oposição e eles continuam na base."
 

BOLSONARO

O Bolsonaro não cresceu por causa da segurança pública. Cresceu quando entendeu, de forma competente, que a polarização dele com (os deputados federais) Maria do Rosário e Jean Wyllis gerava seguidores nas redes sociais e votos".
 

ABORTO

"Não sou a favor daquela posição de alguns da Igreja Católica, que é 100% contra o aborto. Tem algumas coisas que eu não vou ao extremo."



                    


NENHUM COMENTÁRIO



escrever comentário




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • Tupy30
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE
  • Tigre32