PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
19/05/2017 09h04 - Atualizado em 19/05/2017 11h20

André Nezzi representa município em reunião na Capital que discutiu a situação da BR-163

CaarapoNews/Vaner Matos


Segundo informou André Nezzi, os vereadores dos municípios representados reivindicaram a retomada dos trabalhos ou suspensão da cobrança do pedágio

O Presidente do Legislativo de Caarapó, Vereador André Nezzi (PDT), acompanhado dos vereadores, Luiz Macarrão (DEM), Odirlei Luiz Longo “Pipoca” (DEM) e Manoelito Felix de Oliveira “Bagacera” (PDT), estiveram em Campo Grande na manhã desta quinta-feira (18), onde se reuniram com parlamentares de outras 20 cidades do Estado, para discutir a situação da BR-163 e as obras de duplicação que estão paralisadas desde o mês passado.

No encontro que aconteceu na Câmara Municipal de Campo Grande, os parlamentares representantes dos municípios diretamente afetados, reivindicaram a retomada dos trabalhos ou suspensão da cobrança do pedágio.

Ao fazer seu pronunciamento durante a audiência, André Nezzi afirmou que a economia do município foi prejudicada com a paralisação da obra. “Tinha bastante mão de obra do município, que foram dispensadas. Há também o prejuízo em relação aos produtores de soja, milho, cana, que é forte em nossa região. Isso, com certeza, deve afetar nosso município, pois é por ali que passa a produção do nosso Estado. Sem contar que os riscos de acidentes com vitimas fatais vão aumentar com a paralisação da obra de duplicação. Não concordamos com a paralisação dessa obra, nem prorrogação do prazo por 20 anos para concluir somente a metade, como quer a concessionária. Foi compromisso assumido, está em contrato, deve ser cumprido”, cobrou o presidente.

Nezzi já vinha juntamente com os demais vereadores pontuando a preocupação com o impacto financeiro gerado às famílias com a paralização.  “A CCR assumiu a concessão em 2014 e, no ano seguinte, após duplicar 90 quilômetros da rodovia já iniciou a cobrança do pedágio. Dos 845 quilômetros da via entre Mundo Novo e Sonora, o contrato previa a duplicação de 798.  A paralisação da obra gerou, de imediato, a perda de 1,5 mil empregos, isso nos preocupa muito”, frisou o presidente da Câmara.

Preocupada com a situação a Câmara Municipal protocolou recentemente junto aos diretores da CCMS/Vias uma moção de repúdio. O documento assinado por todos os vereadores de Caarapó repudia a ação da empresa quanto ao descaso com a população do  Estado,  principalmente de Caarapó, que utiliza a BR-163. 




NENHUM COMENTÁRIO



escrever comentário




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • Tupy30
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE
  • Tigre32